Estratégias de Gestão Política Gerencial do Cedeca Glória de Ivone

A macro diretriz de promover os direitos humanos, a democracia e o estado democrático de direitos, matiza o caminho organizacional do Cedeca. E essas grandes forças são as referências do compromisso de fortalecer a Organização com informações e ferramentas para a gestão adequada em conformidade com os princípios e valores contemplados na visão, missão e nos objetivos organizacional.

A partir destes paradigmas a Organização desenvolveu seu escopo de compromissos internos e externos, pautado pelo pioneirismo, exemplaridade e uso de tecnologias inovadoras, que podem ser traduzidas nas estratégias para consolidar a luta intransigente por direitos humanos de crianças e adolescentes.

Estratégias:

  1. Promover a participação das crianças e adolescentes na definição dos rumos ideológico, metodológico, definição das linhas dos projetos prioritários, no monitoramento e avaliação da gestão e das atividades da proteção jurídica social.
  2. Investimento em programas de formação política das crianças, adolescentes, famílias e das comunidades sobre direitos humanos, cidadania, democracia e controle social de políticas públicas.
  3. Empoderamento das meninas para a luta pela superação de desigualdade de gênero, da mistificação e cristalização dos poderes econômicos, sociais e enfrentemento das violências.
  4. Capacitação jurídica das lideranças comunitárias para a luta pela consolidação do ECA e normativa internacional.
  5. Observatório de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes como ferramenta para visibilizar a realidade na forma de dados e indicadores, trazendo analise de conjunturas e estruturas do contexto estadual e regional.
  6. Modernizar os processos gerencias internos, com uso de sistemas e tecnologias que garantam a eficácia, eficiência e transparência da gestão administrativa e financeira.
  7. Adoção da metodologia da proteção jurídico social na atuação de incidência politica e advocacy a serviço da luta por direitos humanos.
  8. Produzir materiais que evidenciem as boas práticas e os acúmulos da experiência política da organização.
  9. Plano de comunicação que vislumbrem a democratização e acesso critico das crianças e adolescentes aos meios de comunicação.
  10. Vocalizar as opiniões dos/as adolescentes através de canal no Youtube, rádios e outros meios de comunicação.
  11. Formular plano de mobilização de recursos para garantir a viabilidade e sustentabilidade financeira da organização.
  12. Monitorar as politicas públicas, direcionadas para o proteção e promoção de direitos da criança e do adolescente, sobretudo de educação, sistema socioeducativo e violências.
  13. Garantir que as vozes das crianças e dos/as adolescentes sejam escutadas e consideradas.